[Apresentação] Biotecnologia na quarta revolução industrial - Thiago Branquinho

[Apresentação] Biotecnologia na quarta revolução industrial

Biotecnologia na quarta revolução industrial

Palestra realizada no evento Sebrae ProInter Biotectnologia em 8/12/2016. Você pode fazer o download dela aqui.

Resumo do material

Quando me chamaram para palestrar sobre negócios e biotecnologia, logo surgiu a ideia de conectar o tema central com a indústria 4.0, meu objeto de trabalho cotidiano. Me concentrei bastante para criar um resumo que fosse dentro do tema e, ao mesmo tempo, amplo o suficiente para que eu tivesse a liberdade de desenvolver os slides.

O resumo submetido foi:

Novas tecnologias e modelos de negócios surgem diariamente. Fazemos parte de uma revolução em que o virtual e o físico se conectam diretamente: sensores, impressoras 3D, big data são algumas das tecnologias que tem sido parte crucial de empresas, inclusive de biotecnologia. Conheça esse movimento e entenda como fazer parte dele.

O foco era apresentar a empreendedores os potenciais da biotecnologia no contexto da indústria 4.0. Se desse tempo, eu faria uma pequena dinâmica com eles para dar um suporte ao planejamento.

Processo de construção da apresentação

Logo após receber o convite para participar do evento, comecei a trabalhar as ideias do resumo em um mapa mental, usando o XMind. Por conta da minha formação em biologia e o tempo que trabalho com tecnologia, as coisas foram fluindo sem muitos problemas.

Ao fazer o mapa mental, a ideia era juntar em uma visão de página única o que eu esperava apresentar e, de certo modo, como apresentar. Tinha em mente que, pela diversidade do público, primeiro eu teria que explicar o que era a quarta revolução industrial e os elementos da indústris 4.0, para depois partir para a biotecnologia – e finalmente falar de negócios.

A partir daí fiz algumas pesquisas, para poder ilustrar o conteúdo com exemplos. Pesquisei sobre “biotech startups” para ver as novidades, e revisitei o caso da 23andMe. Continuei o levantamento, mas eu sentia que precisava de algo que sintetizasse a essência da apresentação. Então me veio à cabeça um grupo de pesquisadores que havia criado um ser vivo “do nada”. E achei o vídeo do Craig Venter, líder da pesquisa, em sua apresentação para a imprensa. É de arrepiar os entusiastas da área:

Com o material em mãos, eu já tinha o universo da apresentação. Só precisava organizar.

Dinâmica da apresentação

Tendo em mente os grandes blocos da fala, montei a dinâmica sobre este diagrama (nota: antes disso, eu configurei o slide mestre no PowerPoint para ajustar as configurações dos slides, fontes e cores):

Esse é o tipo de slide que eu considero a síntese máxima da agenda. Se tudo desse errado com relação aos slides, eu desenharia isso no quadro e faria a apresentação baseado nesses três blocos: introdução sobre as novas tecnologias; novos modelos de negócios; oportunidades para a biotecnologia. Muitas vezes, esse tipo de slide pode ser utilizado de forma recursiva, para dar a ideia de sequenciamento (e de que o fim da apresentação está próximo).

Na sequência, uso um slide para apresentar a linha do tempo das revoluções industriais, culminando na quarta revolução, dos sistemas ciber-físicos, ou seja com a interação direta do mundo virtual com o mundo real. Usei o vídeo do Craig, dando ênfase no trecho em que ele diz:

Esta é a primeira espécie autorreplicadora que nós temos no planeta cujo pai é um computador.

Esse é um momento importante para uma pausa. Essa fala é lacradora. Os caras zeraram a vida, literalmente. Ela coloca toda a beleza da indústria 4.0 à mostra. Um computador criou um ser vivo – quer algo mais ciber-físico que isso?

Passado o entusiasmo, introduzi uns termos da indústria 4.0 com a técnica da recursividade. Todos os elementos estavam ali, eu poderia falar de tudo de uma vez. Contudo, optei em listar os elementos e, posteriormente, aprofundar em cada um deles, fazendo um desfecho na imagem inicial.

Tendo em vista que diversas inovações bem intencionadas viraram armas de destruição em massa, resolvi gastar alguns slides para alertar sobre os riscos apocalípticos e distópicos que essas tecnologias podem trazer. Ilustrei com exemplos do cinema para tentar conectar as pessoas ao conteúdo. Deu certo.

Resolvi juntar exemplos de modelos de negócios em biotecnologia, para demonstrar as oportunidades. Separei três pilares:

  • Alimentos
  • Indústria e bens de consumo
  • Saúde e bem estar

Para cada um desses, ilustrei com fotos e/ou vídeos. Mostrei do hambúrguer feito em laboratório à orelha impressa em 3D.

Antes de mudar de tópico, explorei a futurologia das tendências apresentadas para que as pessoas se preparassem para falar de negócios. Levei alguns dados da economia, para dizer que os especialistas acreditam que as coisas vão melhorar e que as empresas precisam funcionar apesar dos cenários adversos. Aproveitei para dar “de presente” uma abordagem metodológica para a construção/melhoria de um negócio.

Eu tinha planejado uma atividade para fazer com os participantes, mas percebi que não daria no tempo e resolvi seguir para a conclusão da apresentação. O desfecho foi simples e direto, a conclusão foi uma “releitura” do título.

Comentários

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *